sexta-feira, 17 de maio de 2019

Formação em lógica proposicional - Escola secundária Jaime Moniz




Entre os dias 8 e 10 de Julho de 2019, irei dinamizar o trabalho cooperativo de aplicação da lógica proposicional aos conteúdos das Aprendizagens Essenciais. 

quinta-feira, 2 de maio de 2019

Ceticismo, crenças e conhecimento, Julian Baggini

David Hume é uma das maiores influências de toda a filosofia, em especial da filosofia praticada nas escolas inglesas, de onde nasce um autor como Julian Baggini. É dele que se apresenta pela primeira vez em língua portuguesa (Gradiva, 2018) um dos seus livros mais capazes. Bagginni é tanto autor de manuais como de livros de filosofia mais generalizada e um pouco (ele próprio acha bastante) fora dos cânones académicos. E este volume de Baggini tem certamente a mão de Hume. O ceticismo pode muitas das vezes parecer a melhor fuga à discussão racional, uma fuga para uma qualquer expressão de subjetivismo. Mas, tal como o mestre escocês, também Baggini assume um ceticismo bastante distante desse ceticismo subjetivista. Por isso também Baggini assume logo na capa do livro que é um cético racional num mundo irracional. Este livro é um potente exame crítico das variadas maneiras como, no mundo atual, formamos as nossas crenças. É um livro de filosofia para ser lido por quem se interessa no debate racional e não gosta de acreditar apenas por que sim, para seguir a moda ou então porque se leu um qualquer texto de um fazedor de opiniões. Espero que este livro seja a porta aberta para traduzir mais outros tantos deste autor. Escreve muito bem, pensa muito bem e é dos mais estimulantes que tenho lido nos últimos anos. 

segunda-feira, 18 de março de 2019

Às vezes perguntam-me em que filósofo trabalho, como se isso fosse o que qualquer filósofo tem de fazer. Respondo ao estilo de Oxford: trabalho em problemas filosóficos, não em filósofos.

Timothy Williamson, Filosofar, da curiosidade comum ao raciocínio lógico, Gradiva, 2019, Trad. Vitor Guerreiro, p. 109

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Filosofia com Visão

A divulgação pública da filosofia é tão importante quanto a sua criação. Ocorrem-me dois motivos principais:

1º os problemas filosóficos são (devem ser) quase todos de domínio público
2º sem boa divulgação o interesse pela filosofia acaba por ser reduzida a caricaturas da mesma.

Estas razões são igualmente relevantes para qualquer outra área do saber. Por isso é com graciosidade que recebo cada pedacinho de divulgação da filosofia em espaços públicos e que, de uma assentada, consiga juntar a qualidade, a atualidade e acessibilidade com que problemas difíceis são divulgados e apresentados ao público não especialista. 
Pedro Galvão está a fazer esse trabalho na revista visão. Chama-se Terceiro Excluído e espera-se que venha a publicar com alguma regularidade. Pode ser acessado de forma livre AQUI.

domingo, 10 de fevereiro de 2019

Fazer filosofia

Como modelo para a filosofia, a matemática básica é muito mais útil que o dicionário. Aquilo de que precisamos para raciocinar claramente não são ‹‹verdades por definição››, triviais, mas uma teoria forte, explicitamente articulada. A clareza não aspira a um padrão mítico de indubitabilidade. Ao invés, o propósito é tornar claramente visíveis os erros do nosso raciocínio, como o são na matemática. Se o leitor ouvir alguém negar o valor da clareza, pergunte-se por que razão poderá não desejar que os erros de raciocínio sobressaiam claramente. 


quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Dica para estudar filosofia

(foto minha)
Quando recebo alunos para apoio ao exame nacional, começo sempre por criar alguns atalhos que evitam desperdiçar tempo e poupam, assim, esforços desnecessários. Um deles é mostrar que, à parte a lógica, em todas as unidades a estudar, a filosofia anda sempre em volta de Problemas, Teorias e Argumentos. Assim, em questões de exame que nos surpreendam, devemos sempre começar por questionar: Que problema se está aqui a discutir? E que teorias conheço que o tentam resolver? Quais os principais argumentos de cada teoria?Quais as objeções possíveis a esses argumentos? 
Não resolve, mas ajuda. 

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

O problema do livre-arbitrío, a resposta compatibilista

Este vídeo é excelente a explicar a resposta compatibilista ao problema do livre arbítrio, incluindo a experiência mental criada por Harry Frankfurt, com a qual pretende argumentar que podemos não ter possibilidades alternativas de escolha e ainda assim sermos livres, ao contrário do que pensavam os compatibilistas "clássicos".


quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Festival de Filosofia de Abrantes




A inteligência artificial, o trabalho e o humano:
 automação e organização do trabalho,
primado do instrumental vsdo humano

De 9 a 18 novembro de 2018

Com o alto patrocínio de sua excelência o Presidente da República 

Organização do Município de Abrantes, em parceria com o Clube de Filosofia de Abrantes, o Município de Mação, o Município de Sardoal, a Palha de Abrantes - Associação de Desenvolvimento Cultural e os Agrupamentos de Escolas dos Concelhos de Abrantes, Mação e Sardoal e a Fundação Serralves