sábado, 20 de julho de 2019

Democracia, conhecimento, liberdade e humanidades

Ao longo da minha carreira já conheci muitos estudantes brilhantes que me disseram não poder seguir filosofia pois filosofia não lhes garante emprego futuro. Esses estudantes fogem para medicina, economia ou áreas tecnológicas ligadas às engenharias. Sem estes talentos nos cursos de filosofia, história ou música dificilmente teremos no país uma cultura forte nestas áreas. Os melhores estudantes que me chegam às mãos com 15 anos já estão formatados para os cursos que devem seguir. Podem-me falar em exceções. Claro que as há. Mas são isso mesmo, exceções. Uma estatística claramente ad hoc diz-me que em cada 10 bons estudantes apenas 2 ou 3 seguem humanidades. Na escola onde trabalho há todos os anos cerca de 30 turmas novas do 10º ano. E basta espreitar as pautas no final do primeiro período para perceber o que aqui refiro. Um aluno de humanidades em regra teve já uma experiência de fracasso, nem que seja a matemática, da qual foge. Há umas semanas estava à conversa com uma colega de trabalho formada em ciências e discutíamos o que seria melhor para um aluno com rendimento fraco. E ela propôs esta solução: se calhar é melhor para ele seguir humanidades. De imediato apontei para a melhor aluna da turma e questionei por que razão não deveria essa seguir humanidades? Os professores sabem que os melhores alunos são os das turmas de ciências e por isso é uma luta nas escolas para ver quem fica com essas turmas. O professor que chega por último à escola fica com o que ninguém quer, no qual se inclui, claro, turmas de humanidades. Em regra dizem-me sempre: “Mas há turmas de humanidades boas”. Só que quem me diz isto quer apenas perpetuar os seus interesses privados. Por essa razão acho bastante pertinente o argumento a favor de uma educação liberal defendido por Martha Nussbaum neste livro. Não, não acho que nele se esteja apenas a fazer um lamento. O que se está a fazer é a argumentar em favor da tese de que sem um sério retorno às humanidades, todo o conhecimento e debate racional fica ameaçado. E eu gostei do livro. É de fácil leitura e promove o debate. Mas há o risco de em Portugal ser pouco lido e , mais grave, nunca ser lido por quem o deverá ler, as pessoas formadas em ciências e não as de humanidades. Para além disso é um livro estimulante para professores em geral, numa altura em que tanto se fala em escola inclusiva ao mesmo tempo que pautamos o ensino a partir de grelhas comparativas de resultados.